Santo Antonio do Pinhal/SP, mix de contemporâneo e rural

Pico Agudo 04

Santo Antonio do Pinhal está distante apenas 168 Km de São Paulo e 14 Km de Campos do Jordão e localizada a mais de 1100 metros acima do nível do mar. Sua geografia montanhosa proporcionam paisagens cênicas e experiencias ao ar livre como banhos de cachoeira, acesso a mirantes, vôos livres de paraglider (parapente), asa delta, contemplação do pôr-do-sol e caminhadas por trilhas em meio à mata preservada. Começou a ser conhecida por suas águas puras e de propriedades medicinais fracamente radiativa e magnesiana. Suas fontes naturais abastecem grande parte da população e muitos creem que as águas, principalmente da fonte Santo Antônio, trazem a realização dos seus pedidos.

Turismo

Sua proximidade com a badalada vizinha Campos do Jordão, fez com que também se tornasse um destino charmoso, de influência europeia, com lugares aconchegantes e menos congestionados.

Diversos atrativos turísticos têm um mix de contemporâneo e rural que dá o ar charmoso na cidade. Além dos atrativos naturais e do clima serrano que atrai muitos turistas no inverno, Santo Antonio do Pinhal  vem se destacando com uma diversidade de produtos bem legais pra se consumir. A proximidade com a região do Sul de Minas dá o sabor tropeiros nos estabelecimentos gastronômicos; o cultivo de cogumelos, olivas, uvas e frutas exóticas dão ar contemporâneo nos pratos. As altitudes também proporcionam a criação da truta, um fino pescado nos cardápios da região e também a produção de diversas cervejas artesanais. Até nas sobremesas Santo Antonio inova com sorvetes gourmets produzidos à partir de leites especiais, no caso, o do gado Jersey.

As altitudes também proporcionam uma beleza à parte na região do Circuito das Flores, localizado no bairro Renópolis. Antiga colonia japonesa à época da imigração, depois do cultivo de hortaliças e frutas, o bairro se destacou com o cultivo das cerejeiras e orquídeas com espaços para compra e visitação.

Historia

O povoamento do alto da serra da Mantiqueira, na região do vale do Sapucaí-Mirim, iniciou-se no fim do século XVIII.
Passagem obrigatória para alcançar as Minas Gerais, o desbravamento do lugar se deve a Gaspar Vaz da Cunha, que no vale do Sapucaí estabeleceu fazenda de criação de gado.
Outro nome ligado ao povoamento foi o de Antônio Joaquim de Oliveira que em 17 de junho de 1860 doou terras para o Patrimônio de Santo Antônio de Pádua, onde foi construída capela, ponto de atração dos moradores da região.
No entanto, o povoado cresceu numa área litigiosa entre a Província de São Paulo e de Minas Gerais, onde força organizada em Pindamonhangaba acabou por queimar as instalações expulsando os grandes mineiros da localidade, deixando o local marcado com o nome de Santo Antônio do Rancho Queimado.
Santo Antônio do Pinhal foi elevado a Freguesia pela Lei Provincial n.º 2, de 23 de março de 1861, e anexado ao Município de São Bento do Sapucaí; a Distrito de Paz, em 1880, e anexando ao Município de Campos do Jordão, em dezembro de 1934.
Em 1944 voltou a anexar-se a São Bento do Sapucaí, ganhando autonomia em fevereiro de 1959.

Fontes: IBGE, Prefeitura de Santo Antonio do Pinhal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.